Deslize Museu de Arte do Rio - 2014


Em um jornal de 1971, vê-se um homem com as pernas flexionadas e o tronco projetado para frente. Abaixo de seu corpo, uma prancha e a espuma do mar. “No deslize, a sensação da vertigem”, diz a legenda que acompanha a fotografia. O nome da matéria? “E as ondas foram domadas”. Se folhearmos outras publicações do mesmo período, também nos depararemos com tentativas de dominar a geometria de concreto. Andava-se de skate nos corrimões de prédios comerciais, em condomínios fechados e em piscinas vazias que eram vistas como espaço potencial para novas manobras.

Surfe e skate são o norte e o sul desta exposição. Ambos os esportes são vistos em uma perspectiva histórica, mas sem a pretensão do esgotamento. Informações e imagens foram selecionadas a partir de um arco temporal que vai de 1778, quando são feitos os primeiros desenhos dos habitantes do Havaí a surfar, até discussões públicas sobre o lugar dessas atividades no Brasil.

Coube refletir sobre a dimensão artística suscitada por essas diferentes formas de explorar o espaço. Seria possível afirmar que alguns artistas têm uma relação existencial tão forte com o surfe ou o skate a ponto de os eleger como elementos centrais de sua linguagem? Parece que sim.

Além de situações em que a dança dos movimentos aparece em sua literalidade, outras proposições artísticas lidam com a visualidade de modo mais transversal; prancha e shape podem ser vistos como formas escultóricas, assim como as ondas do mar e sua espera são ladeadas pela ruidosa disseminação de papéis colados pelas superfícies das cidades. O olhar também pode ser lançado para aquele que opera: quem são esses skatistas e surfistas? Haveria espaço para representações multiculturais dos arquétipos? Como interpretar os diversos autorretratos aqui em diálogo?

É importante lembrar, por fim, de algumas palavras ditas pelo skatista e colecionador Eduardo Yndyo: “Tudo que desliza fascina, quando o deslizar pode ser controlado, aí apaixona”. Fascinemo-nos, portanto, por estas narrativas e tentemos controlá-las em nossas memórias até experimentarmos a única certeza de qualquer deslize: a queda.

Raphael Fonseca
Curador

Desliantes- Polaroide 100 - Part of the  MAR Collection 2014. - Museu de Arte do Rio.

info
×
Using Format